sábado, 11 de julho de 2009

UM CHORO DE TRISTEZA E DÓ






Quando finalmente o último freguês foi embora, até que enfim, ela desceu a porta de aço e correu. Correu de verdade, suando nas axilas e fincando o saltinho nas pedras da calçada, com pressa de voltar para o apartamento, embora soubesse que estava inteiramente vazio. Será? Ainda estava. Fechou a cortina vermelha do quarto e desabou sobre a vasta, fria e vazia cama de casal. E chorou, e chorou, e chorou...
Chorou tudo aquilo que não tinha chorado até então: por ter sido abandonada pelo seu amor eterno, ai! ele era tudo, tudo, tudo...por estar tão sozinha, por sentir tanto medo de ficar sozinha até o fim da sua vida, porque não tinha mesmo sorte na vida, por não ver perspectivas para levar adiante a vida, prá que viver? merda de vida, merda de vida, merda de vida, vontade de morrer viu, por detestar sua vida, por detestar seus amigos, por detestar sua faculdade, por detestar seu trabalho, por detestar tudo, soluçou. Ela chorou por si mesma, um choro de tristeza e dó.
Muitas vidas e muitas mortes depois, olhos inchados, nariz vermelho pingando, sentindo-se esvaziada, tão leve e tão ridícula, ficou ali deitada na camona de casal enorme e fria, encolhidinha, escutando o ronronar dos carros na rodovia lá embaixo e olhando as sombras do balé das luzes da cidade filtrando-se pelas persianas e pela cortina vermelha do quarto. São Paulo nunca pára. São Paulo nunca dorme. São Paulo nunca sonha. Só pensamentos inúteis, só merda: o cérebro parecia ter ido embora junto com as lágrimas, só restara um oco. Um ex-cérebro. Acefalia? Anencefalia? Sei lá. Vazio, vazio, vazio...
Muitas sombras e muitas luzes e muitas idéias inúteis depois, ela acabou adormecendo, com os olhos vermelhos inchados e o nariz vermelho e inchado e pingando no travesseiro com o cheiro dele...ai, o cheirinho delicioso dele. Ela sonhou, parece.
No sonho, ela era outra vez uma menininha bem pequenininha, talvez de boina azul-marinho, segurando outra vez uma mão grande e macia e rosada, com um relógio Seiko prateado. E usava sapatos de boneca, de verniz preto, lindos, maravilhosos. Esplêndidos. Ia descendo a rua e seguindo os trilhos do bonde de um bairro de casas iguaizinhas e jardinzinhos de flores simpáticas, onde os passarinhos cantavam alegres e onde até os cachorros e os gatos, aquecendo-se ao sol da manhã, eram seus velhos amigos. Felicidade esplêndida. Esplêndida. O berço esplêndido. Nos ombros, levava a mochilinha da escola primária, a cartilha e o caderno, o estojo, a régua e a tabuada. Duas vezes dois: quatro. Duas vezes três: seis. Eu vejo a barriga do bebê. Ba, be, bi, bo, bu. O cachorro bebe na cuia. Cheiro de maçã...

O zumbido impertinente foi crescendo, crescendo, até que cortou o fio da meada, trazendo-a de volta ao mundo do lado de cá da felicidade, e espantando os últimos pássaros do sonho. Alguém tocava a campainha, merda quem será? merda ... olhando-se de passagem no espelho do banheiro, ajeitando o cabelo ridículo e dizendo já vou, já vou, já vou, ela viu que estava horrorosa, quem seria? E se...

FOTO: Nicoletta Ceccoli

12 comentários:

angela disse...

Como a gente deixa o nosso amor ir e levar o amor por nós? Deixamos de nos amar e nos vemos ridículas feias, horrorosas.
Não pode não.
Esta muito bonito o texto.
Beijo

Fê Ozzy disse...

e se...

Concha disse...

Real.
Lindo!
Pode acontecer a qualquer um.
Beijos

Silvia disse...

eu estava falando para a Angela que não é fácil criar narrativas e personagens... ainda não cheguei lá! mas vo me inspirando em vocês, viu?
seu texto está demais, senti na pele! parabéns! bjo e ótimo fim de semana!

Alexiev disse...

Lindo...

Saludos desde Buenos Aires...

http://www.alexiev.com.ar

Proyectos

Alexiev Store

João Eduardo Q. C. disse...

Uau! Esta blogada me fez perder o fôlego... Começou meio assim, noir, e terminou meio assim, Hitchcok.
São Paulo não pára e as nossas mentes também não. São Paulo... A meca dos solitários e das campainhas que tocam nas horas mais inoportunas.
Delícia de blogada, parabéns!

Bjs

Laura Reinas disse...

lindo....simplesmente lindo!

Marisa disse...

A solidão e seus fantasmas...
Tá lindo amiga, apesar de ter deixado um quê de vazio na minha garganta.
"O cachorro bebe na cuia....."

João Eduardo Q. C. disse...

Oi! Dei uma passadinha por aqui.

Super beijo!

CarolBorne disse...

Deu vontade de chorar. Porra, chorei!

Martin Bolivar disse...

Muy bonitas palabras...

SMM disse...

Lindo blog! Se puder me visite http://sindromemm.blogspot.com