domingo, 9 de janeiro de 2011

JARDIM INTERIOR




Nada me enternece tanto quanto os jardinzinhos proletários da cidade.
Jardins plantados com carinho e imperícia, onde o espaço, cada vez mais exíguo, obriga o dono a concentrar os seus muitos sonhos em poucos metros quadrados, misturando diferentes espécies de plantas, desde flores, trepadeiras e arbustos até legumes, verduras e frutas.
É tocante ver, plantados em latas de óleo e blocos de concreto virados boca acima, tufos de florezinhas esquecidas de outros jardins: margaridas, cravos, dálias, beijos, brincos de princesa, tudo bordejado de hortelãs, alecrins e poejos. No muro se pendura uma videira ou uma trepadeira de maracujás com as suas lindas flores roxas.
E os indefectíveis girassóis...
Ao passar por ali de manhã, certamente verei uma Dona Maria de aventalzinho estampado e de lenço na cabeça, pelejando com os seus antúrios, arrancando moitas de erva daninha, aguando suas plantas com a água que lavou a calçada. Ou verei um Seu José de bermudas e chinelos, barrigudinho e de cabeça branca, suando enquanto ajeita um canteiro de cebolinha em volta das roseiras. Ou pendurando o bebedouro dos passarinhos num ramo de romã.
De tardezinha, o casal estará sempre ali sentado num banquinho, esperando a noite chegar. Contabilizando o que fizeram de bom durante o dia, ou durante a vida. Ou só curtindo o jardinzinho, sem pensar em nada.
foto: Vincent Van Gogh

12 comentários:

e-Jonny disse...

São enternecedores, mesmo. Ou melhor, foram, porque não vejo mais nada assim há muito tempo.

José Doutel Coroado disse...

Cara Dalva,
esse toque de vida simples, essa ligação à criação de vida, essa ligação a algo que nasce, cresce e morre a cada dia que passa, essa ligação faz cada vez mais falta nas nossas cidades grandes...
Belo texto!
abs

Suzi disse...

Fofos, fofos! Também adoro bisbilhotar o jardim alheio! A escolha das flores, as trocas de mudas... no meu bairro muitas flores se repetem em vários jardins e eu fico pensando se não são fruto de trocas entre comadres! Ainda te comadres que trocam mudas de flores?
beijos!

Larissa Bohnenberger disse...

Ah, que lindo! Adoro jardins floridos, mas devo confessar que não levo muito jeito com as plantas não... me resta apenas admirar o trabalho alheio.

Bjocas!

vidacuriosa disse...

Legal. Lendo o texto fico imaginando o local florido, mas não me demoro muito e vejo, aqui ou ali, ou até mesmo ao sair da porta, esse visual magnífico.
Abrs.
P.S Obrigado pela correção no meu blog.

Rick Monteiro" disse...

O conteúdo do seu blog é muito lindo"
Por isso é com imensa alegria que te sigo"
Belo texto"
"(*_*)"
http://nostudinhos.blogspot.com/
espero-te ancioso"
Bjws"

CarolBorne disse...

Nada mais enternecedor do que cuidar do jardim, né não?
Dal, manda pra mim o link do causo inexplicável? Beijo!

Clarice disse...

Convivi com latas que viraram vasos e até motivo de jogos criativos desde sempre. Impossível fugir dessa herança, que me dá temperos, flores e alguns espantosos tomates.
Obrigada pela visita e comentários.

sinfonia disse...

Amiga um beijinho neste nosso dia.
Que esteja bem.
Irene

sinfonia disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Amapola disse...

Boa tarde, querida amiga.

Deu até uma saudade agora...
Lindo texto Nostálgico.

Um grande abraço.
Tenha um belo fim de semana.

Concha disse...

Grandiosidade nas pequenas coisas, nos pequenos gestos de quem é tão grande poeta...grande jardim!
Um grande abraço